A essência de um clube de Lions e o paradigma de seus componentes

CL Antonio Benson Junior *
Nestes últimos tempos tenho assumido, sempre que possível, o papel de representante do nosso Clube nos eventos que ocorrem em nossa região, sejam de natureza social, cívica e outras que envolvam representantes da sociedade local.

Nestas ocasiões, são inevitáveis as perguntas que pessoas me fazem, do tipo: O que é o Lions Clube? O que faz um Clube de Lions? Qual é o papel de seus associados? Que atributos deve conter um associado do Lions?

Tenho procurado responder espartanamente com frases simples, do tipo: "O Lions é uma instituição sem fins lucrativos, espalhada em 200 paises, contendo mais de um milhão e trezentos mil associados que são conhecidos como companheiros ou companheiras leão. Um Clube de Lions tem a missão de prestar serviços à sociedade. Um companheiro leão e uma companheira leão são pessoas que devem ter caráter ilibado e que se disponham a trabalhar em programas sociais ou assistenciais, principalmente visando a população carente". Costumo dizer também "que a grande missão do companheiro ou da companheira-leão é ser o elo de ligação entre a necessidade e o recurso para satisfazê-la".

A pergunta seguinte é: "Que programas sociais ou assistenciais seu clube está envolvido?". Neste momento crucial, ao contrário de muitos companheiros de leonismo, eu me sinto confortável em responder, já que o Lions Clube de São Paulo - Ipiranga interage com programas sociais interessantes tais como: "Programa Filhos do Mundo" onde, em parceria com a instituição "Toque de Areia", companhia que desenvolve peças teatrais para empresas como treinamento em diversas áreas, ensina-se teatro e dança para meninas carentes. "Programa Regina Dimov", cujo nome é em homenagem à falecida irmã do nosso atual Governador do Distrito LC-2, Frederico Dimov Jr., nosso associado, que há alguns anos atrás iniciou um trabalho de atendimento psicológico à policiais militares, de forma oficiosa e discreta, isto é, sem o conhecimento da burocracia militar, mas com o aval da chefia do Batalhão Militar da Região e que hoje é mantido por companheiras leão psicólogas do nosso clube. "Programa Refeição a 1 real", em parceria com o SESI e a APADE (Associação de Pais e Amigos dos Deficientes), onde foram treinadas multiplicadoras para ensinarem essas dicas de cozinha às mães carentes. Parceria com a Federação dos Panificadores do Estado de São Paulo onde encaminhamos jovens carentes para cursos na área de panificação e gestão nesta atividade. Além disso, nosso Clube de Castores, hoje infelizmente desativado, trabalhou com o "Programa de Conscientização de Doação de Medula Óssea", onde nossos castores procuraram esclarecer a sua importância às pessoas e a ausência de riscos no processo de doação. O nosso Clube de Mães que, além de companheiras leão e domadoras conta com mais de vinte senhoras que não pertencem ao movimento leonístico, desenvolve programas assistenciais tais como: preparação de enxovais de bebês e os envia ao Hospital Ipiranga, doa roupas para instituições beneficentes e coordena campanhas para arrecadação de leite Nan1 para mães aidéticas, fraldas comuns e geriátricas, materiais de higiene, cobertores a fim de atender asilos e creches da região.

Como projetos sociais em estudos, "Coleta de Lixo Seletiva no Parque Independência" onde estamos em contato com uma ONG voltada para a preservação ambiental e com ela estruturando todo um esquema de reciclagem de lixo que irá se expandir para todo o bairro do Ipiranga e adjacências. "Revitalização da Cidadania" em fase de estruturação também onde, trabalhando com crianças do ensino fundamental, procuraremos incutir nelas noções de cidadania. "Preservação Ambiental", também em fase de estudos com essa mesma ONG, onde se pretende conscientizar a criança a ter amor pela natureza, pelos animais, pássaros, plantas e economizar a água potável.

O Lions Ipiranga, por ter um foco bem claro de atuação, Isto é, programas sociais de relevância e uma gama razoável de atividades assistenciais está quase alcançando 60 associados, sem fazer nenhum esforço neste sentido. As pessoas nos procuram quando vêm o que fazemos e como atuamos. Poderíamos fazer muito mais se tivéssemos mais colaboração de companheiros/as que se dispusessem a aceitar os desafios de coordenar ou participar, de forma mais comprometida das atividades. De qualquer forma, o Lions Ipiranga desenvolve um trabalho louvável, reconhecido até por clubes de Rotary que sempre nos homenageiam e com quem, graças a Deus temos mantido laços estreitos de amizade.

Mas, porque outros clubes estão tal como Diógenes, de lanterna na mão, procurando associados e tendo dificuldades para arrebanhá-los? Porque não tem nenhum foco e praticamente nada fazem. Vivem muitas vezes de companheirismo restrito, não raramente mudando suas diretorias de forma oligárquica.

Qual deveria ser o modelo de clube que pudesse dar certo? Certamente aquele que define um foco, estabelece objetivos e metas e procura, na medida do possível, satisfazê-las. O importante é fazer-se notar pela sociedade em sua área de atuação, seja em seu bairro de localização ou na região que determinou atuar.

Uma nova alternativa foi brilhantemente sugerida pelo CL João Fernando Sobral, nosso eterno Presidente Internacional, publicada pela revista THE LION Julho/Agosto de 2006 intitulado "Lions Clubes Especializados - Uma Nova Rota para o Serviço Comunitário" onde sugere um foco específico para cada Distrito como "cuidados com crianças de rua", "civismo" etc.

Quando a população sente a presença realizadora do clube e se identifica com seus ideais, as pessoas mais sensíveis às causas humanas certamente procuram se associar, não havendo necessidade de cassá-los à força como muitos clubes o fazem.

Mais ainda, nestas circunstâncias, o clube tem condições de selecionar quem tem condições de ser um bom companheiro leão ou uma boa companheira leão. Não é preciso se aceitar quem se consegue arregimentar às duras penas, até porque, o que deve prevalecer é a qualidade e não a quantidade.

Como qualificar? Não é fácil, mas em princípio, a pessoa deve ter um caráter irretocável até para manter a credibilidade da instituição. Mais só isso não basta, pois deve ser sensível, disposta a se doar para boas causas, ser humilde, discreta, pois dificilmente a egocêntrica irá trabalhar para beneficiar outra pessoa, correta em suas atitudes para servir de paradigma aos que a cercam e saber amar o próximo como ama a si mesma e à sua prole. Esses são alguns atributos, na minha modesta ótica.

Claro que não se deve desqualificar quem não tenha todos esses atributos, até porque acho que um bom clube é aquele que estimula o verdadeiro companheirismo, em que todos procuram se ajudar, despertando nos outros aqueles atributos que lhes faltam. Dar bons exemplos, fazer crescer o próximo é muito melhor do que ficar fazendo fofocas sobre o comportamento dele, pois isso nada acrescenta ao ambiente do clube, pelo contrário o envenena e nos apequena como seres humanos.

Nós viemos a este mundo não só para comer, beber, trabalhar, se divertir, fazer sexo e dormir. Viemos para viver uma vida cristã e buscar a felicidade. Nascemos com potencialidades espirituais que vão sendo amealhadas a partir do feto no útero da mãe, passando pelo carinho e educação dos pais ao longo da vida, buriladas pela vida escolar, enriquecidas pela experiência do dia-a-dia. Precisamos aprimorar esses atributos e na medida que vamos adquirindo outros para alicerçar o nosso caráter, procurarmos a felicidade, ajudando aqueles que ainda não conseguiram crescer espiritualmente.

Podemos fazer de um Clube de Lions uma extensão de nossas casas e de nossos companheiros e companheiras, nossos irmãos. Como sabemos pela experiência de vida, nem sempre concordamos com todos os irmãos, mas devemos respeitá-los como seres humanos e também com suas idéias apesar de, muitas vezes, não concordarmos com elas. Para isso existe o salutar diálogo. Além do mais, cada um tem um nível espiritual, uns mais desenvolvidos outros menos. Cabe aos mais desenvolvidos ajudarem os menos desenvolvidos como fazemos com nossos filhos, netos. Se assim o fizermos, teremos a consciência tranqüila de termos feito o nosso papel como leão e criado o verdadeiro sentido da família leonística, sempre evocada nas orações protocolares, mas raramente respeitada no seu sentido mais profundo.

Como escreveu o Professor Hal Urban, em seu artigo publicado pela revista THE LION BRASIL SUDESTE de Maio/Junho 2006, a vida é feita de escolha não de acasos. Ele enfatiza que, do momento que acordamos até irmos para a cama à noite, estamos fazendo escolhas. Se não estamos fazendo escolhas, alguém as está fazendo por nós. Só não escolhemos nascer, nem morrer algum dia. Mas, neste meio tempo, no período que chamamos de vida, somos colocados diante de incontáveis escolhas algumas fáceis como, por exemplo, escolher uma boa refeição, outras difíceis como escolher um bom amigo e escolher a forma de tratar outras pessoas. Podemos humilhá-las ou estimulá-las. Podemos ser egocêntricos e sem consideração ou podemos ser respeitosos, amáveis e prestativos. Somos livres para escolher como lidar com as adversidades. Podemos desistir e ter pena de nós ou podemos procurar uma fonte de energia dentro de nós e fazer o nosso melhor diante das circunstâncias.

Nós somos seres criadores de nossas vidas. Devemos reavaliar nossas crenças, pois elas são fontes de nossas ações e decisões. Devemos nos questionar sempre nos dogmas que acreditamos, pois eles podem ser falsos e criados circunstancialmente em nossas mentes. Temos capacidade para construir nossa felicidade, passo a passo, com boas ações, com humildade, honestidade, com trabalho árduo, ajudando nossos semelhantes na medida do possível seja através do trabalho voluntário ou nos bons aconselhamentos, pensando sempre no bem, afastando o mal de nossas mentes, deixando de lado o ciúme, o ódio, o egoísmo, o egocentrismo, a mentira, olhando com respeito cada cidadão honrado, amando para nos habilitarmos a ser amados, sendo leal e solidário e sobretudo, tendo fé num ser superior chamado DEUS.


* CL Antonio Benson Junior
Membro e Instrutor da Escola de Liderança do DLC-2
Secretário do Lions de São Paulo - Ipiranga
E-mail: abensonjr@terra.com.br
Não deixe de ler também...
O pequeno Júlio Macarini Pacheco, no momento em que recebe o título de Companheiro de Melvin Jones

Bebê é o mais jovem companheiro de Melvin Jones do mundo

Júlio Macarini Pacheco, com apenas três meses de idade, tornou-se o mais jovem Companheiro de Melvin Jones do mundo! A ideia foi do novo Presidente do Lions Clube Novo Hamburgo - Terceiro Milênio, CL Vilnei Edmundo Lenz, que assumiu a presidência na época do nascimento do bebê, coincidentemente filho de seu antecessor no cargo, Jardel da Mota Pacheco.

 
 
 
 
Clique para voltar à primeira página

Choose other language
Escoja otro idioma
Click the UK flag for a message in English   Haga click en la bandera de España para un mensaje en español

Logotipo I Believe, do Presidente Internacional

Instruções Leonísticas
Clique para voltar à primeira página
Conteúdo relacionado:
Digite abaixo o que procura no site Instruções Leonísticas:
 

Participe do site Instruções
Leonísticas: envie artigos, notícias, links ou eventos.
Clique aqui e veja como.


Sites em destaque:

Leia a coletânea Instruções Leonísticas Motivacionais Logotipo Rosane de las Américas
Visite o site da
Dir. Internacional Biênio 2008/2010 Rosane Vailatti


Visite a Fundação Lions Internacional

Visite o site da AGDL e tome conhecimento de todas as notícias e assuntos atinentes à associação
Associação dos Governadores dos Dist. Múltiplos L
Conheça o Clube Filatélico do Lions Internacional que congrega filatelistas associados dos Lions Clubes em todo o mundo
LISC: Lions International Stamp Club

Leia aqui artigos sobre jornalismo, educação, tecnologia e as combinações disso tudo
A Apple deveria tirar seus advogados de cena e deixar seus engenheiros liderarem a disputa com a concorrência. Ainda mais se pensarmos que a mesma Apple já foi uma "pirata".