A verdadeira mudança

CL Luiz Carlos de Oliveira *
CL Luiz Carlos de Oliveira

O abaixo, em hipótese alguma, tem o intuito de julgar, criticar ou ferir suscetibilidades de qualquer companheiro que foi ou é um Dirigente Leonístico e muito menos criticar a organização. O que se pretende é expor uma análise de um ponto de vista, com a finalidade exclusiva de sensibilizar a classe gerencial do leonismo e, quem sabe, angariar adeptos para a possibilidade de uma "verdadeira mudança", tão preconizada nos últimos tempos.

1 - Gerenciamento da organização

Não se pode imaginar que uma organização do tamanho do Lions possa ser gerida sem que a cúpula determine metas para serem atingidas para todos os objetivos e que isso seja diluído em toda a pirâmide organizacional.

Pelo que entendo isto já ocorre com muita ênfase para uma das bandeiras que é "a menina dos olhos da Associação Internacional de Lions Clubes ", ou seja, o combate à cegueira. Pode ser visivelmente notado que, sobre este assunto, são estabelecidos objetivos e metas de arrecadação que são acompanhadas e premiadas.

E quanto a gama enorme de serviços prestados aqui no Brasil?

Pelo que li existem objetivos gerais (sustentando protocolos realizados com a ONU - o que é para não se botar defeito) mas inexistem metas, acompanhamento e avaliação diluídas entre os escalões da hierarquia.

2 - Oportunidade de Mudança

Inexistindo um gerenciamento efetivo sobre os objetivos e metas em toda a pirâmide organizacional é alto o risco de haver dispersão e perda de controle.

Não é muito raro de visualizar que isso possa estar ocorrendo.

Tem sido quase que comum a mudança contínua de foco a cada gestão.

O que deu certo na gestão anterior não é continuado pela seguinte, mesmo que tenha sido um sucesso. Cada um quer deixar sua marca, atacando pontos distintos ou opostos, o que é compreensível.

Seríamos injustos em não reconhecer o tremendo esforço e amor com que cada um dos dirigentes dedicou e tem dedicado para o Leonismo, dando o melhor de si, assim como é incabível tolher a criatividade de cada um.

Chego a fazer uma comparação com aquele time de futebol que, não sabendo quantos pontos tem que alcançar para se classificar para as finais do título, entra em campo a cada jogo sem saber se tem de ganhar ou pode empatar ou até perder. Troca de técnico a cada ano e, cada um deles, aplica suas táticas. Os jogadores (clubes), percebendo que não existe uma seqüência, aplicam as suas próprias e tocam o barco da melhor maneira possível, esquecendo até se existe um campeonato...

Quanto à avaliação fica para cada um.

Será que isso que acontece com as ONGs, se for o caso de realizar uma comparação?

Parece-me que, para começar, o Leonismo no Brasil tem que definir se ele quer mudar seu direcionamento, centralizando suas atividades unicamente em torno da bandeira " menina dos olhos" ou se ele quer continuar a manter as diversas frentes de trabalho, buscando antes conhecer muito bem as necessidades das suas comunidades.

Nesta segunda hipótese, parece que é absolutamente necessário que o leonismo mude a forma de se gerenciar, em toda sua pirâmide organizacional (desde cada Distrito Múltiplo até cada clube), trabalhando com objetivos (o quê), metas (o quanto), avaliação de resultados, divulgação e premiação.

Volto à baila com a proposta de se criar um organismo, em nível de DML, com atribuições de, em longo prazo, em comum acordo com os Governadores:

  1. Estabelecer metas para os Distritos (determinando-se o quê e quanto se quer chegar ao final de cada Ano Leonístico), com base nos objetivos da organização e observando-se as peculiaridades regionais.
  2. Avaliar os resultados alcançados.
  3. Estabelecer critérios de premiações com base nos resultados atingidos pelos Distritos.
  4. Premiar os Distritos de acordo com os resultados atingidos.
  5. Integrar os atuais e futuros governantes ao plano qüinqüenal, antes de se iniciar o Ano Leonístico.
Este organismo, assim como toda a pirâmide organizacional, jamais iria intervir na forma de trabalhar de cada clube, que deve continuar a ser independente na forma de atuar para atingir essas metas.

Finalidades: Aprimorar o processo gerencial dos Distritos para:

  1. Definir com maior objetividade aonde se quer chegar num período a curto e em longo prazo.
  2. Propiciar maior sentido de continuidade entre administração de Anos Leonísticos distintos, minimizando-se as mudanças de foco.
  3. Incentivar o melhor uso da estrutura e do conhecimento adquirido por companheiros experientes de cada Distrito.
  4. Incentivar maior número de ações pro ativas por parte de ex-dirigentes em torno da administração atual, propiciando-lhes maiores oportunidades de externar positivamente sua experiência.
  5. Propagar mais ainda a toda pirâmide hierárquica dos distritos um clima mais envolvente de trabalho em busca de metas comuns, motivando-a e encorajando-a a buscar os resultados.
  6. Aprimorar mais ainda a forma de se reconhecer os valores e atributos de cada dirigente leonístico, em toda a pirâmide dos distritos, formando-se, naturalmente, bons administradores em todos os níveis.
  7. Reforçar mais ainda o conceito de que os distritos são entidades que têm vida própria, cujos associados são os clubes, que, por um ano, delegaram aos Governadores a atribuição de geri-los em seus nomes.
  8. Atualizar e fortalecer mais ainda a forma de se gerenciar o Leonismo.
  9. Aumentar mais ainda o grau de satisfação dos associados.
  10. Encorajar mais ainda o aumento e a retenção de associado.
  11. Propiciar maior eficácia nos serviços prestados às comunidades e
  12. Crescer em quantidade e qualidade.

3 - Novas práticas

Aí sim, parece que a implantação das práticas abaixo surtirá o efeito desejado:

  1. Técnicas de Fundraising (Mobilização/Captação de Recursos financeiros e humanos e outras - ponto da CaL Maureen Brandt), com certeza, serão acionadas pelos dirigentes leonísticos, que passarão a ter maior interesse no sucesso porque, além dos benefícios que a obtenção de recursos trará, haverá uma avaliação de resultados com reconhecimento.
  2. A mobilização do movimento no Brasil para fazer frente a novos paradigmas (ponto do CL Paulo Lamego) vai nascer automaticamente porque esta necessidade passará a ter maior sentido para quem é avaliado.
  3. Haverá interesse da parte dos Lions Clubes para se transformarem em "Unidades de Fomento para o Desenvolvimento Sócio-econômico e Cultural" das comunidades, permitindo que usufruam o direito que a Legislação Brasileira lhes oferece, conforme foi-nos trazido pelos prezados companheiros Maureen Brandt e Paulo Lamego. E assim por diante...
Por diversas vezes imaginei o tamanho do desafio desta mudança e cheguei a pensar como poderia vender esta idéia.

Acreditando que se possa contribuir para esclarecer melhor e reforçar a proposta, abaixo foram transcritos trechos de algumas publicações de autoria de mestres da administração moderna e de organizações de consultoria:

Objetivos para avaliação de desempenho

Objetivo: descrição geral do resultado final que se quer atingir. O resultado esperado pode ser atingido na totalidade (missão cumprida), parcialmente (a missão não foi cumprida, mas houve alguma contribuição) ou não ser atingido (não houve contribuição alguma, perdeu-se uma oportunidade).

Ênfase nos objetivos e nos resultados

Toda organização existe, não para si mesma, mas para alcançar objetivos e produzir resultados.

É em função dos objetivos e resultados que a organização deve ser dimensionada, estruturada e orientada.

Daí a ênfase colocada nos objetivos organizacionais e nos resultados pretendidos (metas) como forma de avaliar o desempenho das organizações.

Os objetivos são valores visados ou resultados desejados pela organização. A organização espera alcançá-los por meio de sua operação eficiente. Se a operação falha, os objetivos são parcialmente alcançados ou simplesmente frustrados.

São os objetivos que justificam a existência e operação de uma organização

Meta: Descrição detalhada, possível de ser definida e medida em termos quantitativos ou qualitativos.

A definição de metas é uma das mais úteis ferramentas para o alcance de resultados concretos.

Diversos estudos realizados em várias partes do mundo em diferentes épocas mostram que a maioria daqueles que atingem o sucesso define metas para chegar onde desejam.

Sem metas definidas, uma organização pode ficar à deriva, sem saber ao certo para onde seu barco está rumando.

Tanto objetivos como metas devem ser desafiantes, mas exeqüíveis.

A participação, atuação e desempenho dos dirigentes constituem fator crítico para consecução dos objetivos/metas propostos.

Segundo a Teoria Neoclássica de Drucker:

"Toda organização deve criar uma verdadeira equipe e reunir esforços individuais num esforço comum. Cada membro da organização contribui com uma parcela diferente, mas todos devem contribuir para a meta comum. Seus esforços devem ser exercidos numa só direção e suas contribuições devem combinar-se para produzir um resultado ótimo - sem lacunas, sem atritos, sem a desnecessária duplicação de esforços.

O modelo de gerenciamento que temos agora é o da ópera. O maestro conta com um grande número de grupos diferentes que ele precisa reunir. Os artistas, o coral, o corpo de baile, a orquestra - todos têm de atuar juntos, a partir de uma partitura estabelecida de forma comum.

A Administração por Objetivos exige grande esforço e instrumentos especiais, pois, numa organização, os dirigentes não são automaticamente dirigidos para o objetivo comum."

Eficiência - uma das inovações da Administração por Objetivos está ligada à autonomia das equipes para distribuição das tarefas onde cada subdivisão se preocupa com o "como", desde que haja o alinhamento entre a meta dos componentes e da organização de modo que maximize a produção individual, atingindo maior eficiência global.

Embora saiba perfeitamente que o fórum para a colocação da presente proposta é na organização do Distrito e, vendo como ela se comporta e está montada, estou optando por um trabalho de formiguinha, não só para obter adesão à idéia mas também para que ela seja divulgada e avaliada por mais companheiros, reforçando-a, caso seja considerada uma boa alternativa....

Comentários, sugestões, críticas são bem vindas...


CL Luiz Carlos de Oliveira * CL Luiz Carlos de Oliveira
Assessor de Comunicação do Aplionsclubes
Lions Clube de Piracicaba Vila Rezende - LC-3
E-mail: oliveira.luizcarlosde@gmail.com
Não deixe de ler também...
O pequeno Júlio Macarini Pacheco, no momento em que recebe o título de Companheiro de Melvin Jones

Bebê é o mais jovem companheiro de Melvin Jones do mundo

Júlio Macarini Pacheco, com apenas três meses de idade, tornou-se o mais jovem Companheiro de Melvin Jones do mundo! A ideia foi do novo Presidente do Lions Clube Novo Hamburgo - Terceiro Milênio, CL Vilnei Edmundo Lenz, que assumiu a presidência na época do nascimento do bebê, coincidentemente filho de seu antecessor no cargo, Jardel da Mota Pacheco.

 
 
 
 
Clique para voltar à primeira página

Choose other language
Escoja otro idioma
Click the UK flag for a message in English   Haga click en la bandera de España para un mensaje en español

Logotipo I Believe, do Presidente Internacional

Instruções Leonísticas
Clique para voltar à primeira página
Conteúdo relacionado:
Digite abaixo o que procura no site Instruções Leonísticas:
 

Participe do site Instruções
Leonísticas: envie artigos, notícias, links ou eventos.
Clique aqui e veja como.


Sites em destaque:

Leia a coletânea Instruções Leonísticas Motivacionais Logotipo Rosane de las Américas
Visite o site da
Dir. Internacional Biênio 2008/2010 Rosane Vailatti


Visite a Fundação Lions Internacional

Visite o site da AGDL e tome conhecimento de todas as notícias e assuntos atinentes à associação
Associação dos Governadores dos Dist. Múltiplos L
Conheça o Clube Filatélico do Lions Internacional que congrega filatelistas associados dos Lions Clubes em todo o mundo
LISC: Lions International Stamp Club

Leia aqui artigos sobre jornalismo, educação, tecnologia e as combinações disso tudo
A Apple deveria tirar seus advogados de cena e deixar seus engenheiros liderarem a disputa com a concorrência. Ainda mais se pensarmos que a mesma Apple já foi uma "pirata".