Lions, o vetor da promoção social

CL EGD Ayrton Pinassi *
A única explicação plausível para justificar como um movimento que surgiu nos Estados Uni-dos, em 1.917, inserido numa cultura, numa etnia, num costume próprio, disseminou-se por todo o mundo, por países de culturas, etnias e costumes completamente diferentes, inegavel-mente, é o espírito do movimento, é o espírito de Lions.

Evidencia-se, destarte, que o autêntico espírito leonístico é o alicerce da importância de Lions, e a base que sedimenta a sua força.

Mormente, neste limiar de século e de milênio, onde já não mais basta sermos bons, obrigan-do-nos a sermos excelentes, o movimento em epígrafe, para não sucumbir, precisa adaptar-se aos novos tempos, tendo a consciência de que não mais existe espaço no Lions para proposi-ções meramente teóricas, piegas, inócuas e amadorísticas, sendo de suma necessidade, proje-tos sólidos e profissionais.

Não estamos rejeitando o serviço voluntário e amador, mas é preciso, agora, adotarmos o pro-fissionalismo em Lions, dada a necessidade de afastar-nos da cultura assistencialista, optando por uma cultura voltada à promoção e à inserção do excluído na sociedade organizada.

Esta mudança tem muita lógica, eis que há anos atrás o Lions era, em muitos rincões, a única entidade a assistir o carente; hoje, mercê das muitas entidades filantrópicas e beneficentes que existem, com a absurda quantidade de cerca de 500.000 ONGs instaladas no país, o menos favorecido já não mais depende do Lions, do ponto de vista assistencial.

Para o voluntário do serviço amador existe a tarefa pragmática de concretizar junto às comuni-dades, os projetos e planejamentos elaborados por profissionais.

A mudança referida é, compreende-se, bastante traumática, especialmente porque se faz ne-cessária a substituição do assistencialismo pela inserção social, exigindo coragem de quem a empreende, além de transformar a mentalidade atual dos leões para uma modernidade mais abrangente. Mas, aí, deve resplandecer a qualidade de líder do Leão, pois só ele tem coragem de realizar a mudança, visto que a mudança dói, mas é ela quem propícia o crescimento. Esta liderança leonística deve ter a energia de uma criança, a criatividade de um artista, a dedicação de uma mãe, a humildade e desprendimento dos amantes da Paz, a sabedoria e a paciência dos sábios, a coragem do alpinista, o entusiasmo do torcedor fanático e a persistência de um atleta.

Jamais se esqueça o líder que, para que assim seja considerado, ele deve desenvolver uma visão do que é possível e ser capaz de inspirar outros a ajudá-lo a realizar estas possibilidades, deve desenvolver competência e talento internos, de forma integral, pois só ele é capaz de transformar o "status quo" e só ele evolui com as mudanças.

Contudo, mudando a cultura do assistencialismo para a promoção humana, é óbvia a necessi-dade de, como dito já foi, um trabalho profissional. Também é feliz o Lions em ter em suas hos-tes, profissionais de todos os matizes, não havendo necessidade de sua busca fora do movi-mento; temos, então, o voluntariado profissional, sem paradoxo algum. Assim fazendo, teremos um Lions com metas mais concretas, e, como já dissemos, mais moderno, um Lions mais visível e atraente, principalmente para os mais jovens.

Se for função de Lions transformar todo ser humano em cidadão, conclui-se que, enquanto houver apenas um homem desprovido da plena cidadania, existe a necessidade imperiosa da existência de Lions.

O Lions, para isto, deve agir de tal forma a ser um agente modificador, inovando, destarte, os seus serviços com referência à figura do carente, determinando como e quando intervir para a aludida promoção social. O leão, por sua vez, deve especializar-se em gente, tendo por foco o ser humano. O leão deve participar, dentro de uma visão holística, compreender as múltiplas formas de alienação social e ter uma consciência marcante, objetivando sempre a emancipa-ção humana, tanto individual como coletivamente, incluindo-se aí, uma autocrítica diuturna e eficiente.

Portanto, o Leão deve se capacitar, de forma tal a conhecer e transmitir seu conhecimento a todos que participarem do processo em questão.

O interessante é que o próprio Lions nos dá o paradigma maior do trabalho descrito em seu objetivo primeiro: " Criar e fomentar um espírito de compreensão entre os povos da terra." Isto é um incentivo e uma loa à paz entre os homens deste planeta.

É objetivo de Lions a consecução de uma cultura da paz, sabendo-se que, somente será ela implantada se todos os indivíduos tornarem-se cidadãos.

Ao buscar a paz, através de uma cultura que lhe seja peculiar, teremos completado toda a promoção social, pois esta é premissa essencial daquela.

A Cultura da Paz precisa ser implantada neste mundo dominado pela violência das ruas, pela violência das guerras, pela violência da miséria, pela violência da exploração das crianças, pela violência do analfabetismo,e pela violência da desigualdade social.

Desde tenra idade, foi nos imposta a Cultura da Violência, com bicho papão, com o manique-ísmo das revistas infantis, como o Tom e Jerry, com os Gibis, com os Super-Heróis, com os heróis matadores de nossos livros de história, assim como com os filmes que inundam as telas, etc. E, sentido contrário, poucos conhecem a mencionada Madre Tereza de Calcutá, Chico Xavier, Martin Luther King Jr., Irmã Dulce, Mahatma Ghandi, São Francisco de Assis e tantos outros arautos da Paz.

Se arraigada a Cultura da Violência, o Lions deve incrementar a Cultura da Paz, mas fazendo-a pragmaticamente, deixando os proselitismos, as vaidades vazias e as aleivosias nocivas no ostracismo. Será transformada esta Cultura em realidade, se o leonismo trabalhar em direção ao desenvolvimento da cidadania, da dignidade, dos direitos humanos, da ética e da solidarie-dade.

Mas é imprescindível que, para levarmos a paz aos outros, devemos ter, antes, a nossa paz interior. E nossa paz interior exige tolerância, paciência e uma capacidade de perdoar, de a-prender a ouvir o próximo com atenção, de reclamar do que não gosta, sem ofender, humilhar ou atacar a outrem, de atacar o problema sem fazê-lo à pessoa, de tolerar as indiferenças.

Assim sendo, teremos um mundo mais tranqüilo, mormente para nossos descendentes, pode-remos com orgulho, dizer aos nossos filhos: o mundo de vocês é muito melhor que o meu, e eu contribui para isto. O importante é que tenhamos em mente que implantando a cultura da paz, estaremos cumprindo com nossos desígnios leonísticos.

A cultura da paz deve estar calcada em objetivos concretos, tais como a construção de ações práticas, espalhando tais práticas por todas as cidades, realizando caminhadas pela paz, im-plantando Casas da Paz, criando-se o Dia da Paz, e outros eventos de incrementação e cons-cientização da aludida Cultura da Paz. Para isto, todavia, o leão deve compreender e trabalhar as múltiplas formas de alienação social que acomete o menos favorecido, em todos os seus aspectos.

Em assim sendo tornaremos o Lions, o vetor da promoção social


CL EGD Ayrton Pinassi * CL EGD Ayrton Pinassi
EGD Ano Leonístico 2004/05 - LC-3
Assessor de Relações Públicas e Instrução Leonística do DLC-3
Associado do Lions de Piracicaba - Campestre
E-mail: aypin@terra.com.br
Não deixe de ler também...
O pequeno Júlio Macarini Pacheco, no momento em que recebe o título de Companheiro de Melvin Jones

Bebê é o mais jovem companheiro de Melvin Jones do mundo

Júlio Macarini Pacheco, com apenas três meses de idade, tornou-se o mais jovem Companheiro de Melvin Jones do mundo! A ideia foi do novo Presidente do Lions Clube Novo Hamburgo - Terceiro Milênio, CL Vilnei Edmundo Lenz, que assumiu a presidência na época do nascimento do bebê, coincidentemente filho de seu antecessor no cargo, Jardel da Mota Pacheco.

 
 
 
 
Clique para voltar à primeira página

Choose other language
Escoja otro idioma
Click the UK flag for a message in English   Haga click en la bandera de España para un mensaje en español

Logotipo I Believe, do Presidente Internacional

Instruções Leonísticas
Clique para voltar à primeira página
Conteúdo relacionado:
Digite abaixo o que procura no site Instruções Leonísticas:
 

Participe do site Instruções
Leonísticas: envie artigos, notícias, links ou eventos.
Clique aqui e veja como.


Sites em destaque:

Leia a coletânea Instruções Leonísticas Motivacionais Logotipo Rosane de las Américas
Visite o site da
Dir. Internacional Biênio 2008/2010 Rosane Vailatti


Visite a Fundação Lions Internacional

Visite o site da AGDL e tome conhecimento de todas as notícias e assuntos atinentes à associação
Associação dos Governadores dos Dist. Múltiplos L
Conheça o Clube Filatélico do Lions Internacional que congrega filatelistas associados dos Lions Clubes em todo o mundo
LISC: Lions International Stamp Club

Leia aqui artigos sobre jornalismo, educação, tecnologia e as combinações disso tudo
A Apple deveria tirar seus advogados de cena e deixar seus engenheiros liderarem a disputa com a concorrência. Ainda mais se pensarmos que a mesma Apple já foi uma "pirata".