Sacramentar a maternidade: glória ou fardo?

CaL Eunice Rodrigues de Mello Junqueira *
O mês de maio tem se tornado especialíssimo, através dos tempos, por abrigar uma comemoração importante para a humanidade: o "Dia das Mães".

Muito embora a figura da mãe seja imortalizada em versos, poemas, canções, depoimentos e todos os dias de sua vida devam ser a ela consagrados, quis, ainda, a sociedade dedicar-lhe um dia especial durante o ano.

Nada mais justo, porque, em realidade, à mãe cabe um papel próprio, singular, conferido a ela pela natureza, sacramentado por uma tradição que vem desde os tempos bíblicos.

A veneração a Maria Santíssima, mãe de Deus, isenta de pecado e detentora de todas as virtudes, inspirou na humanidade, sacramentar a mãe, colocando-a no altar das pessoas santificadas, esperando dela que aja, sempre, como santa, a imagem do perdão, da abnegação, da compreensão, da renúncia, do sofrimento, do amor incondicional.

Entretanto, a mãe comum, humana, advinda de famílias bem ou mal estruturadas, das camadas populares ou dos altos e baixos escalões da sociedade, nada tem de santa porque é feita de massa falível, sujeita ao bem e ao mal, vulnerável e envolta em mil e uma concepções de valor, especialmente na vida social contemporânea.

Muitas vezes, ainda, submetida ao marido ou parceiro, então, seu "dono e senhor", sua maternidade é até resultado de atos violentos, de submissão absoluta ou de interesses escusos, mesmo assim, exigindo-se dela, dedicação infinita e perfeição de procedimentos.

Não é raro ouvir cobranças às mães pelos desvios de seus filhos para o mundo do crime, da ociosidade, da dependência às drogas, da prostituição, como se fosse possível a elas, pelo dom da maternidade, realizar milagres ou prover o futuro dos filhos pela santidade de seu amor.

Cremos, certamente, na grandiosidade do amor materno porque ele existe latente em toda mulher; é o seu dom inato, floresce e frutifica em qualquer meio, dada a sua própria natureza e tem provado essa grandiosidade, através dos tempos.

A prática desse amor, entretanto, é afetada pelos inúmeros apelos, dificuldades e exigências da vida, pela convivência familiar e social, pela falta de amparo governamental.

O amor materno deveria, sempre, resultar em boa educação para os filhos, seria seu caminho lógico e ninguém melhor que a mãe é capaz de exercer influência pela força de seu amor, pela riqueza dos contatos com seus filhos a que sua missão obriga, desde o ventre.

Fatos revelados pelos órgãos de comunicação têm demonstrado que é grande o poder da influência materna até em depoimentos de prisioneiros, desabrigados, marginalizados... No entanto, esses mesmos fatos têm revelado, outrossim, que só esse grande amor não basta e não consegue milagres, porque necessita de apoio constante, de medidas coadjuvantes da parte de todos os agentes de educação, a começar pela família até órgãos governamentais.

Lions pode prestar-se, otimamente, a esse serviço coadjuvante, porque seu serviço parte de pessoas bem-sucedidas, de famílias bem constituídas, supondo-se, também que o sejam em relação à educação e encaminhamento de seus filhos.

Nada, portanto, mais pertinente que manter no Movimento Leonístico, um trabalho constante, permanente, de apoio à maternidade, não somente no que diz respeito ao aspecto material mas, principalmente, na multiplicação das experiências de sucesso materno, por intermédio de Domadoras e Companheiras-Leão.

Os Clubes de Mães, mantidos por grande número de Clubes de Lions, são um excelente veículo dessa multiplicação, podendo desenvolver, ao lado de seus programas de promoção humana, programas de prevenção às doenças, às drogas, de nutrição, de higiene, relacionamento familiar, sobre direitos e deveres e outros, difundindo valores universais, válidos para qualquer tempo, lugar ou população, para qualquer camada social, todos visando à saúde física, mental, moral e espiritual da pessoa humana, centrados no respeito e amor ao próximo, responsabilidade social e afetividade.


CaL Eunice Rodrigues de Mello Junqueira * CaL Eunice Rodrigues de Mello Junqueira
Diretora de Comunicação do LC SP Tucuruvi - Distrito LC-2
Editora do Boletim "Leão Gafanhoto Verde" - LC SP Tucuruvi
Assessora Distrital de Educação e Cidadania - Distrito LC-2
Assessora do Boletim da Governadoria do Distrito LC-2
Assessora Distrital da Revista The Lion Brasil Sudeste
Diretora de Questões Educacionais e Alfabetização da Fundação Lions do Distrito LC-2
E-mail: eunicejunqueira@ajato.com.br
Não deixe de ler também...
O pequeno Júlio Macarini Pacheco, no momento em que recebe o título de Companheiro de Melvin Jones

Bebê é o mais jovem companheiro de Melvin Jones do mundo

Júlio Macarini Pacheco, com apenas três meses de idade, tornou-se o mais jovem Companheiro de Melvin Jones do mundo! A ideia foi do novo Presidente do Lions Clube Novo Hamburgo - Terceiro Milênio, CL Vilnei Edmundo Lenz, que assumiu a presidência na época do nascimento do bebê, coincidentemente filho de seu antecessor no cargo, Jardel da Mota Pacheco.

 
 
 
 
Clique para voltar à primeira página

Choose other language
Escoja otro idioma
Click the UK flag for a message in English   Haga click en la bandera de España para un mensaje en español

Logotipo I Believe, do Presidente Internacional

Instruções Leonísticas
Clique para voltar à primeira página
Conteúdo relacionado:
Digite abaixo o que procura no site Instruções Leonísticas:
 

Participe do site Instruções
Leonísticas: envie artigos, notícias, links ou eventos.
Clique aqui e veja como.


Sites em destaque:

Leia a coletânea Instruções Leonísticas Motivacionais Logotipo Rosane de las Américas
Visite o site da
Dir. Internacional Biênio 2008/2010 Rosane Vailatti


Visite a Fundação Lions Internacional

Visite o site da AGDL e tome conhecimento de todas as notícias e assuntos atinentes à associação
Associação dos Governadores dos Dist. Múltiplos L
Conheça o Clube Filatélico do Lions Internacional que congrega filatelistas associados dos Lions Clubes em todo o mundo
LISC: Lions International Stamp Club

Leia aqui artigos sobre jornalismo, educação, tecnologia e as combinações disso tudo
A Apple deveria tirar seus advogados de cena e deixar seus engenheiros liderarem a disputa com a concorrência. Ainda mais se pensarmos que a mesma Apple já foi uma "pirata".