Evitando a Liderança Imprópria

PDG CL Ernesto Martin Barmann *
Isto lamentavelmente é, e se faz notoriamente palpável em todos os níveis ou hierarquias dentro do Leonismo.

Aquelas pessoas que geram ou estabelecem um mau ambiente de trabalho, estão predestinadas a jamais se sobressair, ficarão marcando passo, tentando se impor ou aparecer porém, acabarão ficando de médio para longo prazo, tornando-se conhecidas, rejeitadas e marginalizada e nem que dizer do terrível mal que acabam causando.

A marcante missão de um verdadeiro, inato, real e bom líder, é guiar e direcionar o seu grupo de trabalho para, e com a finalidade terminal de exacerbar as suas reais potencialidades e colocá-las ao serviço da organização.

É inevitável que, em qualquer etapa ou fase da nossa vida, toparemos ou encontraremos alguma pessoa ou individuo indesejável ou com um posicionamento antagônico que não coaduna com a nossa opinião. Seja por ser um mau orientador, egocêntrico, ou estabelecido num auto-pretenso líder, impositivamente erigindo-se em chefe, enfim, aquele reconhecido "dono da verdade", o "sabe tudo" ou, o que vive e representa, sem realmente conhecer, querendo ser notado ou ficar meramente em evidência ou sob a luz dos holofotes, noutras palavras e diretamente, aparecer e ser notado!

Desafortunadamente destes entes, no nosso movimento, os exemplos são abundantes e fartamente existentes fazendo que, as Companheiras(os) Leões que se encontram sob seu comando ou supervisão, vivam um verdadeiro pesadelo em função dos incorretos e mal aplicados procedimentos, palestras e conversas prolixas e enfadonhas, assim como o repasse de ensinamentos errôneos, insuflados por dita pessoa.

O pior de tudo, é que estes indivíduos, pela parca condição eventualmente por falta de estudo, atualização, ou até de intelecto, não caem em conta ou tomam conhecimento no(s) erro(s) cometido(s), e crêem que seu proceder é o corretamente indicado, acabando por produzir um mau efeito em toda a organização e inumeráveis prejuízos na mesma.

Conforme estudos analíticos e avaliações realizadas, chegou-se a conclusão de que, a maioria destas pessoas, não tem sequer idéia das responsabilidades que implica em ter o mando, tais como as correta aplicação, direcionamento, administração e liderança, cortando e truncando as boas intenções que possam ter ou oferecer aos seus subordinados.

Assim mesmo, conhecemos muitos casos de pessoas desagradadas com seus líderes, porém não elevam a voz de protesto por receio ou medo de serem mal interpretados ou julgados em forma precipitada. Unas, pelo contrario, tentam ou tratam de buscar novos e melhores horizontes em outras organizações e dentre os Leões, solicitam a transferência para outro clube no qual se sintam melhor, seus esforços e trabalho são valorizados, sejam bem prestigiados e possam desenvolver todas as suas habilidades e potencialidades.

Esta situação de influência negativa do pretenso e impositivo líder acaba sendo positivamente, uma das maiores e marcantes razões da desmotivação e desagrado, levando finalmente o elemento, por melhor intenção e participação que tenha tido, a se afastar paulatinamente e acabando por abandonar o movimento, não funcionando daí, sobre hipótese alguma e redundando em tempo perdido e, num total frustrante fracasso a intervenção ou qualquer tentativa do Assessor de Retenção, seja o do Clube ou do Distrito.

Alguns destes fulanos, chefes de equipes, líderes ou pretensos orientadores, pelo seu afã de poder, prestigio e até vontade de aparecer, vêem os membros como pouco dignos ou mesmo, não sabem estabelecer uma relação honesta com eles.

Seu ego não lhes permite enxergar além de seus narizes e farão, raiando o impossível para que, nenhum subordinado seja melhor que eles, possam discordar ou até superá-lo. Formarão e tentarão integrar e inculcar na mente dos seus mandados, tentando-os transformar em pessoas que aceitam ou aprovam seu posicionamento, falsa doutrinação ou de irreal efetividade, podendo-os assim pisotear sem temor de que estas reajam ou tomem represálias.

Esta classe de indivíduos sempre criará um clima malsão dentro da organização e farão da crítica, a ameaça, a ofensa, e a imposição da obediência e aceitação cega, sua carta ou cartão de apresentação perante eventuais reclamações que possam ser feitos pelos sofridos ouvintes ou comandados.

Tudo isto criará e provocará que o mau orientador, líder ou chefe de equipe, obtenha uma má reputação na organização e ocasionará que se torne futuramente de difícil aceitação, seja tido como uma pessoa impopular e com um índice muito elevado de rejeição mais daí, já provocou e estabeleceu um prejuízo incomensurável.

Somado ao anteriormente explanado, alguns destes "personagens" tem em mente um alto grau de ambição, o que os levará a cumprir os seus propósitos por cima de qualquer norma estabelecida e, podem até elaborar táticas que lhes permita a adesão de membros através de promessas, mentiras, encantamento disfarçado ou para aqueles que não o conhecem, fazer-los acreditar nas lorotas e inverdades com demonstração da suposta realidade dos seus conhecimentos, consolidando assim, a sua "grandeza", vendo assim os seus sonhos de poder realizados.

Para evitar que estes falsos líderes ou pessoas inescrupulosas prossigam ou continuem ocasionando tanto mal ao movimento, deve existir como primeira medida, um grau de autocrítica que permita escolher e eliminar-los categórica e erradicá-los radicalmente, avaliando criteriosamente a maledicência que ocasionará este prejudicial elemento ou se possível, apesar de que seja de difícil ou praticamente impossível a consecução, conseguir fazê-lo notar o erro que está cometendo, fazendo-o entender e interpretar que um nível hierárquico alto, é um meio necessário para atingir resultados e não algo ao qual se deva aferrar na ânsia de sentir poder, fazendo ou provocando dano, às vezes até irreparável naquelas pessoas que tem sob o seu mando.

Ademais, é necessário que a estrutura organizativa sempre esteja aberta para as mudanças e as novas necessidades e tendências inovadoras. Isto requer nos líderes e ou orientadores uma mentalidade madura e um caráter firme para se dispor a ser um dos primeiros em aceitar os modernos procedimentos a que haja lugar e a propender para que a sua implantação em forma positiva, arroje excelentes e indubitáveis resultados, beneficiando assim os comandados, assistentes e assim também, a comunidade como um todo.

O líder, orientador ou chefe de equipe inconteste, deve lutar, conseguindo repassar para que as pessoas sob seu cargo possam desenvolver-se integralmente, ajudando a minimizar suas dificuldades e colaborando com elas sempre que se fizer necessário, mostrando-lhes o foco ou a visão da valia da organização e gerando insuflando-lhes a vontade de servir e trabalhar para que todos os objetivos ou propostas, sejam levados a bom término e se atinjam as metas almejadas.

Se conseguirmos atingir o alvo e conseguirmos transmutar a mentalidade destes elementos até aqui nocivos, muito bem, se não, o ideal e correto , é ignorá-los, afastá-los ou até forçar a suas saídas do Movimento pois pouco, muito pouco ou praticamente nada perderemos com a sua saída!

Devemos sempre antepor e levar em consideração que, ganhar o respeito e o aprecio dos colaboradores, é uma tarefa primordial que devem assumir os bons e reais lideres, orientadores ou chefes de equipes com a intenção e, para a consecução de que todos os elementos se sintam comprometidos a labutar da melhor maneira ou forma, para o bem-estar coeso de toda a equipe ou treinados e, extensivamente para toda a organização.

Nos tempos e desafios atuais, se tornando cada vez mais complexos, devemos escolher e indicar bons e entendidos conhecedores da matéria, verdadeiros líderes, orientadores e treinadores. Somente assim conseguiremos que nossos associados se esmerem para realizar um trabalho melhor e estabelecer um ambiente de convívio favorável na organização, que derive em bons resultados tanto produtivos como organizacionais.


PDG CL Ernesto Martin Barmann * PDG CL Ernesto Martin Barmann
Lions Clube Curitiba Gralha Azul - Presidente
Presidente do CIRCLE LP
Sócio Fundador do LISC - Lions International Stamp Club do Brasil
E-mail: barmann@terra.com.br
Não deixe de ler também...
O pequeno Júlio Macarini Pacheco, no momento em que recebe o título de Companheiro de Melvin Jones

Bebê é o mais jovem companheiro de Melvin Jones do mundo

Júlio Macarini Pacheco, com apenas três meses de idade, tornou-se o mais jovem Companheiro de Melvin Jones do mundo! A ideia foi do novo Presidente do Lions Clube Novo Hamburgo - Terceiro Milênio, CL Vilnei Edmundo Lenz, que assumiu a presidência na época do nascimento do bebê, coincidentemente filho de seu antecessor no cargo, Jardel da Mota Pacheco.

 
 
 
 
Clique para voltar à primeira página

Choose other language
Escoja otro idioma
Click the UK flag for a message in English   Haga click en la bandera de España para un mensaje en español

Logotipo I Believe, do Presidente Internacional

Instruções Leonísticas
Clique para voltar à primeira página
Conteúdo relacionado:
Digite abaixo o que procura no site Instruções Leonísticas:
 

Participe do site Instruções
Leonísticas: envie artigos, notícias, links ou eventos.
Clique aqui e veja como.


Sites em destaque:

Leia a coletânea Instruções Leonísticas Motivacionais Logotipo Rosane de las Américas
Visite o site da
Dir. Internacional Biênio 2008/2010 Rosane Vailatti


Visite a Fundação Lions Internacional

Visite o site da AGDL e tome conhecimento de todas as notícias e assuntos atinentes à associação
Associação dos Governadores dos Dist. Múltiplos L
Conheça o Clube Filatélico do Lions Internacional que congrega filatelistas associados dos Lions Clubes em todo o mundo
LISC: Lions International Stamp Club

Leia aqui artigos sobre jornalismo, educação, tecnologia e as combinações disso tudo
A Apple deveria tirar seus advogados de cena e deixar seus engenheiros liderarem a disputa com a concorrência. Ainda mais se pensarmos que a mesma Apple já foi uma "pirata".